história da freguesia de laúndos - Junta Freguesia de Laundos

procurar
Go to content

Main menu:

história da freguesia de laúndos

freguesia
 

A Freguesia de Laúndos aparece referenciada num documento de 1033 com o nome de “Montis Lanutus”. Já em 1400 aparece com a grafia actual.

Tal como outras freguesias, Laúndos chegou a pertencer a Barcelos, mas em 1836 com a reforma administrativa passou a pertencer ao concelho da Póvoa de Varzim.

O vocábulo Laúndos tem mais de uns milhares de anos e um povo que aqui  

Laúndos é indubitavelmente um topónimo antigo e como tal deve ser considerado como característica comum à maioria dos seus habitantes. Laúndos sempre esteve ligado ao Monte de S. Félix, no qual viveu um povo castrejo pré-histórico, tendo como prova o par de brincos proto-históricos, encontrados nos restos do castro, com o nome de Arrecadas de Laúndos, em exposição no Museu de Soares dos Reis no Porto.

Os habitantes da freguesia devem-se chamar Laundenses. Contudo, concorde-se que custa mais a pronunciar do que Lanutenses. Esta última forma também é preferida com a intenção de preservar o nome original latino: Lanutus.

A população que habitava o castro de S. Félix dedicava-se à agricultura, pequena indústria e pastorícia (este povo trabalhava em cerâmica, fabricando telhas e diversos vasos, trabalhando também em ouro, e finalmente por necessidade, agricultor-pastor para a sua alimentação e vestuário).

Além de ser um povo preparado para a guerra, povo guerreiro, por necessidade de se defender de povos invasores vindos do nascente, necessidade essa que o levou a erguer muralhas no cimo deste monte, no século V, da nossa era, este povo desceu do castro e foi habitar para as planícies, procedendo ao abate das florestas para as poder cultivar.

Em tempos não muito distantes, em casa as mulheres preparavam e teciam o linho, utilizando material que hoje merece repousar em museus. Até aos finais do século XX, o linho deu lugar ao farrapo e dos teares saíram verdadeiras preciosidades em mantas. É de referir, que muitas casas de lavoura possuíam moinhos manuais apropriados à trituração do milho. Estes moinhos têm desaparecido ao longo do tempo, visto que foram substituídos pela inovação tecnológica.

No entanto, no Monte S. Félix ainda existem 5 exemplares desses moinhos, a maior parte estão transformados em residência de férias. Somente dois estão no seu tamanho original e destes dois, apenas um pode moer. Neste mesmo moinho quando se fizeram os seus alicerces, a pouca profundidade, encontrou – se uma púcara de barro, queimada por fora e gordurenta no interior, debaixo de uma lâmina de xisto negro e assente sobre telha ou tijolo, que ao achador parecia lareira. A púcara guardava o tesouro: um par de arrecadas em ouro (Arrecadas de Laúndos).

As arrecadas de Laúndos foram adquiridas e levadas para um Museu Nacional do Porto, hoje com o nome de Soares dos Reis.

Para finalizar, é importante mencionar que a freguesia no passado era limitada por marcos físicos (pedras), dos quais actualmente ainda existem vestígios.  


Fonte: Lopes, Dinis da Silva, Monografia da Freguesia de São Miguel de Laúndos Póvoa de Varzim, editora: Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, 2006

 
 
Back to content | Back to main menu